Saiba (de uma vez por todas) como escolher a melhor pasta de dentes

Todos os dias me perguntam qual a melhor pasta de dentes para crianças.  

Existem muitas marcas de pasta de dentes disponíveis no mercado. Todas elas competem pela melhor embalagem, sabor e recursos para encorajar os pais à compra. Por isso esta escolha é cada vez mais difícil. A maioria das vezes as marcas apresentam os mesmos ingredientes. E ainda mais difícil se torna esta tarefa. Mas aqui vai encontrar a resposta para todas as suas questões. Para começar tenha presente que as principais diferenças estão na consistência da pasta, no sabor e no teor do flúor.

Sabia que, segundo um estudo publicado em 2016, 28,9% dos componentes encontrados nas pastas dentífricas foram considerados desnecessários para melhorar a saúde oral das crianças? E que 69,2% apresentaram risco de contaminação associados ao consumo crónico?

Esta é uma questão bem mais séria do que parece.

 

E o que é importante para a escolher a melhor pasta de dentes? A idade. Mas existem outros fatores a considerar e que vai saber depois de ler este artigo.  

Apesar do flúor fortalecer o esmalte e evitar a acumulação de placa bacteriana, pode prejudicar os dentes jovens (uma condição conhecida como fluorose dentária). As crianças entre 1 e 4 anos de idade correm maior risco para esta condição. Por isso os níveis de fluoreto devem ser cuidadosamente monitorizados durante este período.

Esclareça agora todas as suas dúvidas sobre a pasta de dentes. 

O que é a pasta de dentes?

Simplificando, a pasta de dentes é um produto que aumenta e mantém a higiene oral. Os componentes que melhoram a saúde oral presentes na pasta de dentes são os agentes antibacterianos, os fluoretos e os abrasivos suaves. Os abrasivos suaves, com a ajuda da escova de dentes, removem superficialmente as manchas da superfície dos dentes. Os agentes antibacterianos diminuem a quantidade de bactérias presentes na cavidade oral. Estes impedem o mau hálito e a acumulação de placa bacteriana. O flúor ajuda a fortalecer a superfície do esmalte (parte externa dos dentes) protegendo da cárie dentária.

Os dentífricos podem apresentar-se sob a forma de pó, pasta, gel e líquido e são divididos em três categorias: cosméticos, cosmético-terapêuticos e terapêuticos. 

E a pasta de dentes para crianças?

As pastas dentífricas fluoretadas para crianças são complementadas com uma série de ingredientes desnecessários e potencialmente tóxicos que são utilizados para melhorar o sabor da pasta de dentes. Um estudo refere que as estratégias de marketing para a pasta de dentes de crianças incluem retratar fotografias de frutas nos tubos da pasta de dentes, assim como o uso de personagens animados e aromas atraentes que refletem alimentos comuns. Mesmo não sendo a intenção, estas representações podem levar os consumidores (adultos e crianças) a acreditar que a pasta de dentes é segura, ou mesmo destinada a ser consumida como se fosse um produto alimentar.

A adição de ingredientes desnecessários e potencialmente tóxicos (como edulcorantes, corantes artificiais, aromas e outros aditivos que facilitam a composição da pasta de dentes, aparecendo mais como um produto alimentar) aumenta ainda mais a probabilidade de as crianças consumirem mais pasta de dente do que a recomendada pela American Dental Association. Também deve notar-se que a presença desses ingredientes desnecessários não contribui para a melhoria da saúde oral das crianças (Food and Drug Administration, 2010).

A pasta de dentes é importante?

Sim, é importante e necessária. A boca humana abriga milhares de diferentes tipos de bactérias. Estas conseguem agrupar-se e criar um filme sobre os dentes, conhecido como placa bacteriana. Se esta placa não for removida, pode acumular-se ao longo do tempo e causar problemas de saúde oral. Os problemas que daí decorrem são vários como cáries dentárias, doenças das gengivas e halitose (mau hálito). Segundo um estudo da JADA escovar os dentes duas vezes ao dia com pasta de dente fluoretada diminui significativamente o risco de desenvolver esses problemas, ajuda a criar um sorriso saudável duradouro e promove a saúde geral e o bem-estar em geral.

Porque é que não se pode usar qualquer pasta de dentes?

A maior preocupação é em relação às crianças menores de 5 anos em que o consumo crónico de pasta de dentes é particularmente preocupante. Os estudos indicam que crianças menores de 6 anos geralmente ingerem entre 25% a 33% de pasta dentífrica durante cada escovagem. Por isso não acha importante saber o que está a dar ao seu filho, todos os dias, duas vezes por dia? É importante conhecer a composição da pasta dos dentes e ler o rótulo na altura da compra. Em 2011 a Associação Americana de Controlo de Envenenamento registou 21513 pedidos por excesso de ingestão de pasta de dente fluoretada.

Quais os ingredientes das pastas de dentes para as crianças?

Uma revisão da literatura deste ano foi conduzida para descrever a finalidade dos ingrediente e os conhecidos riscos de contaminação associados ao consumo crónico de cada ingrediente. Foram analisadas 26 pastas dentífricas para crianças. Nestas pastas foram encontrados 45 ingredientes. 

Leia o rótulo. Identifique. É importante saber os riscos associados a cada um dos componentes porque o risco de contaminação, por ingestão, nas crianças, é muito mais elevado. Devido ao seu menor tamanho corporal em comparação com os adultos. E ao facto de ainda estarem em fase de desenvolvimento. Além disso a forma como metabolizam a exposição a produtos químicos é diferente.

De forma resumida fazem parte da composição da pasta de dentes:

  • Agentes ativos (terapêuticos) – sendo que os principais são os fluoretos, agentes químicos e agentes abrasivos;
  • Detergentes – dos quais se destaca o laurilsulfato de sódio;
  • Aromatizantes, conservantes e corantes – entre os mais utilizados estão o mentol, eucaliptol e hidroxibenzoato de metila;
  • Espessantes ou agentes reguladores da viscosidade (carboximetilcelulose)
  • Humectantes – destacam-se o sorbitol e o glicerol;
  • Água.

Os ingredientes com que devemos ficar mais alertados são o laurilsulfato de sódio, os parabenos e os corantes.

Pasta de dentes com ou sem sabor?

A pasta de dentes com sabor e colorida pode aumentar os hábitos positivos de saúde oral entre as crianças. Mas apesar destas características atraentes, existem outras alternativas preferíveis no mercado.

Todos sabemos a dificuldade que é convencer os nossos filhos a escovar os dentes. E, muitas vezes, caímos na tentação de comprar a pasta de dentes com sabor, porque eles adoram. Mas, na verdade estas pastas com aroma têm outros componentes que não são necessários na pasta de dentes e que não é suposto a criança ingerir.

Por isso tome nota dos 10 truques para facilitar a tarefa de escovar os dentes, e abandone a pasta de dentes com sabor!

melhor pasta de dentes

A pasta de dentes branqueadora é recomendada?

Os agentes abrasivos característicos deste tipo de pasta de dentes podem corroer e desgastar o esmalte dentário jovem. Os abrasivos são fundamentais para polir e remover a placa bacteriana dos dentes. No entanto grandes quantidades de fosfatos e alumina encontrados em algumas pastas dentífricas. Por exemplo, podem ser muito fortes para o esmalte jovem e podem realmente causar que os dentes jovens se tornem muito sensíveis.

Se optar por uma alimentação saudável, evitar os alimentos que mais pigmentam (saiba aqui quais os alimentos a evitar) e complementar com limpeza anual no médico dentista, não irá necessitar desta pasta de dentes.

Pasta de dentes com ou sem flúor?

A exposição frequente dos dentes a baixas concentrações de flúor seria a situação ideal, mas isso não é muito prático. E por isso a pasta de dentes é a forma mais prática para a maioria das pessoas obter o flúor necessário a esta mineralização.

Por isso, recomendamos a escovagem duas vezes por dia, com pasta de dentes fluoretada. Agora, todos precisam disso? Não. Algumas pessoas terão risco de cárie tão baixo (por exemplo, estão a obter flúor suficiente através de outras fontes, a dieta é muito baixa em hidratos de carbono fermentados, a composição da placa bacteriana não é muito cariogénica) que, teoricamente, não precisam.

Mas na realidade o que acontece é que é tão difícil conseguir esta condição que a pasta dos dentes com flúor está recomendada para quase todos.

Mas quando se trata de crianças, este assunto é ainda mais delicado. O Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças recomendam que a ingestão de flúor nas crianças, menores de 6 anos, seja monitorizada. Estes anos são determinantes para o desenvolvimento dentário. 

O nível de flúor ideal que previne cáries mas não tem efeitos negativos é de cerca de 0,05 miligramas por quilograma de peso corporal por dia. 

Como tal, a chave para a utilização destas pastas com flúor está, sobretudo, na quantidade de flúor na pasta e na escova!! Se cumprir as recomendações não existirá qualquer perigo de fluorose ou intoxicação. 

No rótulo a quantidade de flúor vem descrita em unidades ppm (partes por milhão).

Sendo assim, na altura da escolha da melhor pasta de dentes para o seu filho tenha atenção aos seguintes aspectos:

  1. Idade
  2. Evite a presença de agentes abrasivos na composição (ou pastas de dentes branqueadoras)
  3. Evite as pastas com sabores atrativos de modo a prevenir a deglutição deliberada
  4. Opte por pasta de dentes com flúor (sempre de acordo com a idade e com atenção à quantidade)
  5.  Pode optar por pasta ou gel. Todas funcionam efetivamente para a placa bacteriana e a cárie dentária, desde que contenha flúor

Ainda tem dúvidas? Não sabe qual a melhor pasta de dentes ou se pode continuar a usar a pasta de dentes que o seu filho mais gosta? Comente este artigo. Nós ajudamos!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *